15 março 2009

O RIO

Vai correndo, manso, o rio,
por entre as pedras rolando;
quase se podem escutar
as trovas que vai cantando.

Desce morros, corta campos,
sempre contente, a seguir;
tem um encontro marcado,
não pode, a ele, fugir.

Às vezes, chega um menino
pra em suas águas brincar.
- Que pena ! diz o regato,
eu não poder demorar!...

-Não posso ficar parado,
vai seguindo, a murmurar;
tenho um encontro marcado,
tenho um encontro com o mar.

De Maria de Lourdes Figueiredo

2 comentários:

Danielle Cristina Lira disse...

Nossa me trás recordações de minha infância época de terceira série primária. Eu fechava meus olhos e me imaginava vivenciando todos os trajetô do Rio.

Analuci disse...

Que legal sua experiência! Esta poesia também me traz boas recordações! Feliz ano novo pra você!